Na Mídia

Antes de tudo temos que falar em sociafetividade, que são os laços que unem as pessoas como pai / filho sem que haja o vínculo sanguíneo.

 

Atualmente, para nossa legislação, a afetividade sobrepõe os laços de sangue. A convivência com o intuito de formação de família, valem mais que o papel.

 

Essa é a base para pedidos de reconhecimento de paternidade e maternidade socioafetiva - criar como seu o filho de outrem. Mas não basta viver sob o mesmo teto, aquela criança tem que reconhecer naquele adulto seu pai e / ou sua mãe! Não há imposição legislativa que diga o contrário. Da mesma forma, aquele adulto precisa reconhecer naquele ser tão pequeno o filho do coração.

 

A segunda questão é como se dá o que chamamos do binômio necessidade-possibilidade. Leva-se em conta as necessidades daquela criança e a possibilidade dos alimentantes, sendo analisados, primeiramente, a base biológica do menor, ou seja, seus genitores (pais e mães).

 

Se as necessidades básicas daquela criança não conseguem ser supridas pelos genitores, aí sim entram os terceiros envolvidos na relação com o menor. Avós paternos e maternos em igualdade, e somente depois entraram os padrastos e madrastas.

 

Esse tema, que gerou tanta polêmica nessa semana no meu post, deve ser analisado caso a caso! Nem todos têm direitos a receber e nem todos têm o dever de pagar! Desta forma, cuidado com o que se escuta.

 

Para que o novo cônjuge do genitor arque com responsabilidades que não são dele, por princípios, é necessário que se analise a socioafetividade entre as partes, a necessidade do menor, a possibilidades dos genitores biológicos, além da possibilidade de complementação pela padrasto e / ou madrasta.

 

Padrastos ou madrastas que consideram a criança como filho de fato, mesmo que não biológicos, muitas vezes não necessitam de ação para fazer valer a complementação da necessidade aos caros de coração. Fazem o reconhecimento de firma extrajudicial (permitido em cartório, sem necessidade de processo judicial) e assumem por aí só as consequências da paternidade e da maternidade, tais como, alimentos, guarda compartilhada e herança.

 

Assim, vemos que a análise depende sim de cada caso, mas que depende acima de tudo de muito amor!

 

 

Um abraço para todos.

Ana Brocanelo – Advogada.

OAB/SP:176.438 | OAB/ES: 23.075

contato

Atendimento personalizado em São Paulo e em todo território nacional.

Preencha o formulário para entrar em contato, tirar dúvidas sobre serviços, expressar suas críticas e comentários ou simplesmente para deixar-me uma mensagem. O sigilo será sempre respeitado. Você também poderá visitar o escritório e interagir com as redes sociais Ana Brocanelo, acessando os links abaixo.

Por favor, escreva seu nome corretamente. Por favor, escreva seu telefone corretamente. Por favor, escreva o assunto corretamente.
Por favor, escreva sua mensagem corretamente.

Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Obrigada ! Seu E-mail foi enviado com sucesso.
Ocorreu um falha no envio do seu email. Por favor, avise-nos se continuar acontecendo. Obrigada.

SÃO PAULO

Alameda Joaquim Eugênio de Lima, 680. 14° andar. Cj: 143

Jardim Paulista. São Paulo - SP. CEP: 01403-000

(11) 3266-3777